Clique aqui e receba nossa

NEWSLETTER

BOOKMARKS

Artigo

No dia 17 de Janeiro de 2015 o Instituto Supereco plantará 2 mil mudas de árvores nativas em Caraguatatuba, litoral norte de SP

No dia 17 de Janeiro de 2015 o Instituto Supereco plantará 2 mil mudas de árvores nativas em Caraguatatuba, litoral norte de SP

seta No dia 17 de Janeiro de 2015 o Instituto Supereco plantará 2 mil mudas de árvores nativas em Caraguatatuba, litoral norte de SP

Conservar a mata ciliar, ou seja, a que se desenvolve nas margens dos rios, é fundamental para o desenvolvimento da flora, fauna e qualidade da água que chega até nossas torneiras, por isso, o Projeto Tecendo as Águas, do Instituto Supereco, tem como meta o plantio de 8,5 mil mudas de árvores nativas no litoral norte de SP até junho de 2015. Dia 17 de janeiro, próximo sábado, das 8h às 12h, o plantio de 2 mil mudas será na Fazenda Boi N’Água, Estrada Cambixo, Km 3, bairro Cambixo (Rio Claro), na área rural de Caraguatatuba. Toda a comunidade está convidada a participar devendo, nesse caso, ir com roupas confortáveis, botas, chapéu ou boné. As inscrições devem ser feitas pelo fone (12) 3892-6292 com Violeta ou Natália. Aos participantes será oferecido lanche e suco.

Trata-se de um plantio educativo e comunitário envolvendo os objetivos Saberes das Águas e Águas da Mata do Projeto Tecendo as Águas com apoio especial do Programa de Educação Ambiental da Nova Tamoios Contornos. As atividades de plantio serão auxiliadas e orientadas por profissionais da área de gestão ambiental da DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S/A, empresa responsável pela implantação da nova rodovia do Litoral Norte.

Ainda haverá outros três mutirões para plantio de mudas até março. Entre as mudas estão espécies como sangra d’água, capororoca e aroeira-pimenteira que são árvores pioneiras, isto é, crescem rápido e dão sombra para outras espécies se desenvolverem. Serão plantadas também árvores como ingá, figueira, araçá e guarucaia cujos frutos aves e outros animais como macacos apreciam bastante e ajudam a dispersar sementes, auxiliando no crescimento de mais árvores. Nesse plantio serão ainda usadas mudas de pau-viola, tamboril, suinã, maricá, mutamba da várzea e angico branco.

São todas árvores presentes na Mata Atlântica, muitas específicas da restinga, ecossistema que hoje sofre forte degradação pela ação do ser humano. A ação acontece na beira do Rio Claro, um dos afluentes do Rio Juqueriquerê, ao lado do plantio realizado pelo Supereco em dezembro, criando um corredor biológico. O Tecendo as Águas tem patrocínio da Petrobras por meio do programa Petrobras Socioambiental,  parceria da Chevrolet e dos Institutos Educa Brasil e Trata Brasil, e apoio do Centro de Educação Ambiental de Guarulhos, do Made in Forest, da OBME e das Prefeituras Municipais de São Sebastião e de Caraguatatuba.

Ajudando a natureza a se recuperar

No dia 6 de dezembro o plantio contou com a ajuda de voluntários como o Seu Sérgio Ferrari Pagnota e sua esposa Dona Dalva, ambos de 80 anos. O sol escaldante não desanimou o casal que chegou a plantar perto de 50 mudas: “É uma benção poder participar de uma ação dessas e ajudar o planeta. Faço isso pensando no bem de todas as pessoas e também da natureza. Espero que meus netos e bisnetos possam ver essas árvores crescidas”, disse Dona Dalva.

A fisioterapeuta Sônia Lopes de Oliveira também se ofereceu para o mutirão: “Já gosto bastante de plantar e faço isso na minha casa com frequência, mas nunca tinha participado de um mutirão e achei maravilhoso. É uma experiência incrível estar ajudando a natureza a se recuperar”. A estudante de Gestão Ambiental, Beatriz Manhoso, aproveitou a oportunidade para cumprir estágio: “É bom para meu curso, mas também adoro plantar. Quero ver essas árvores florescerem. Seria ótimo ver o resultado dessa iniciativa da qual participei”.

As matas ciliares são fundamentais para o equilíbrio ecológico reduzindo o assoreamento (processo que se observa no leito dos rios por acúmulo de detritos, lixo e entulho provocando transbordamento em épocas de grande quantidade de chuvas), mantendo a qualidade da água e impedindo a entrada de poluentes para o meio aquático. Também formam corredores ecológicos que contribuem para a conservação da biodiversidade fornecendo alimento e abrigo para a fauna. O nome “mata ciliar” vem do fato de oferecerem proteção a rios e lagos assim como os cílios protegem os olhos.

“Essa ação que estamos realizando nas margens dos cursos d’água da Bacia do Rio Juqueriquerê é de extrema importância, já que as águas destes rios são as que abastecem grande parte da população de São Sebastião e Caraguatatuba. Com o plantio nas margens destes rios, contribuímos com a possibilidade de se ter água em quantidade e com qualidade já que protegemos estes locais do acúmulo de materiais sólidos que podem causar o assoreamento dos cursos d’água. Além deste benefício para os seres humanos, estes lugares propiciam a manutenção da biodiversidade local. As matas ciliares fazem parte dos corredores ecológicos, conectando fragmentos florestais e muitos animais as utilizam para migrarem para reprodução, facilitando o fluxo genético entre a espécie”, explica o engenheiro florestal Juliano Hojah, coordenador da equipe de gestão ambiental do projeto Tecendo as Águas.

 

 Quem faz

O Projeto “Tecendo as Águas” é realizado em parceria com a Chevrolet e o Instituto Educa Brasil, com patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental e tem seis objetivos que se conectam no sentido de trabalhar a floresta, a água, educação, saúde, cultura, turismo, geração de renda e qualidade de vida: “Saberes das Águas”, “Se Ligue nas Águas”, “Conhecendo as Águas”, “Caminho das Águas”, “Águas da Mata” e “No Ritmo das Águas”. Conta também com o apoio do Dersa, Comitê das Bacias Hidrográficas do Litoral Norte (CBHLN), das prefeituras de São Sebastião e de Caraguatatuba, do Instituto Trata Brasil, da rede Made In Forest, do Centro de Educação Ambiental de Guarulhos (CEAG), da Organização Brasileira de Mulheres Empresárias (OBME) e da DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S/A, por meio do Programa de Educação Ambiental da Nova Tamoios Contornos.

Sobre o Instituto Supereco

O Supereco é uma OSCIP que atua há 20 anos com a missão de promover a educação ambiental como ferramenta estratégica de conservação ambiental aliada ao desenvolvimento humano. Os 23 Programas, projetos e intervenções de educação pela sustentabilidade, abrangendo todos os Biomas do Brasil, formaram mais de 10.500 educadores e lideranças multiplicadoras em educação ambiental, atenderam mais de 1,5 milhão de crianças e jovens em programas de educação ambiental presencial e à distância, contemplaram 900 mil participantes diretos nas intervenções socioambientais e produziram 95 publicações especializadas na área. Site www.supereco.org.br

COMO PARTICIPAR DO TECENDO AS ÁGUAS

Os moradores da região do litoral norte podem participar ativamente das ações socioambientais do Projeto Tecendo as Águas cuja sede fica no centro histórico de São Sebastião.  Basta acompanhar o calendário de ações pelo facebook do projeto e se inscrever em oficinas, mutirões, concursos e eventos culturais. Há várias ações aos finais de semana, cursos com certificado e atividades que podem acolher voluntários, artistas, ambientalistas, estudantes, professores, agricultores, comerciantes e qualquer pessoa interessada em meio ambiente e sustentabilidade. Para quem não está no litoral norte de SP, o convite é para acompanhar e postar sugestões na página Tecendo as Águas do facebook.

Facebook.com/TecendoasAguas

 

 Fátima ChuEcco (11) 3375-9685 e 96930-8282

Assessora de Imprensa Instituto Supereco/Projeto Tecendo as Águas

.: AUTENTICAÇÃO
agenda